Conhecendo-se
29 julho | 2016
Disfunção erétil
29 setembro | 2016

Você sabia que algumas mulheres (por volta de 26% de nós) têm, desde o início da vida sexual ou durante uma fase da vida, dificuldades para chegar ao orgasmo? Pois então, é a anorgasmia. Uma condição, em que a mulher não tem orgasmos há mais de 6 meses trazendo prejuízo a ela e ao relacionamento. Isto pode ocorrer desde o início da vida sexual ou ela pode ter tido orgasmos durante um período e por certo tempo não mais conseguir. Também pode estar relacionado à parceria ou não, ou seja, não consegue orgasmo com parceira ou parceiro específico.
Além disso, a dificuldade para chegar ao orgasmo pode ainda se apresentar durante as relações sexuais e não ocorrer durante a masturbação.

anorgasmia traz para as mulheres sensação de incapacidade gerando sofrimento  para ela e para o casal. Afinal de contas, uma vida sexual saudável e satisfatória para ambos é marcador de uma boa qualidade de vida.

Para falarmos em dificuldades para chegarmos ao orgasmo, precisamos primeiro observar alguns pontos:

  • Lembrar que ele não precisa necessariamente ocorrer em todas as relações sexuais. Algumas vezes, apenas a sensação de bem estar e relaxamento que vêm após a relação já são o suficiente. Então, não ter orgasmos em todas aas relações é perfeitamente normal;
  • Será que a mulher tem conhecimento do seu corpo e de suas áreas erógenas para assim poder ensinar ao parceiro ou a parceira a estimulá-la adequadamente? Pois se não soubermos o que queremos e principalmente, falar do que queremos, o(a)parceiro(a) não adivinhará por mágica;
  • Outro fator importante é sobre o que a mulher entende por orgasmo. Algumas vezes existe um conceito fantasioso e então ela nunca se sentirá satisfeita, pois procura algo que não existe;
  • A valorização da penetração vaginal como “a via certa” para obter orgasmos também acaba por atrapalhar a vivência de uma vida sexual prazerosa. A maioria das mulheres chega ao orgasmo com estimulação do clitóris muito mais facilmente que pela penetração vaginal, isto porque nele se encontra  uma alta concentração de células receptoras de estímulos. Então, ao invés de colocá-lo em segundo plano, utilize-o a seu favor, pois o orgasmo não é vaginal, clitoridiano ou outro. Ele ocorre no cérebro, independente da via usada para estimulação;
  • Qual a importância da fantasia em suas experiências sexuais? Se pouca, repense. Se não nos permitirmos fantasias, será difícil termos orgasmos. Junto com a estimulação de zonas erógenas, a fantasia é fundamental para atingí-lo. E vale de tudo: filmes, livros, revistas, brinquedos sexuais etc. O importante é não termos preconceito de experimentar para saber do que gostamos.

Vale lembrar que a maioria dos casos de anorgasmia ocorre entre mulheres. As causas podem ter origem em doenças neurológicas, doenças crônico degenerativas ( como o diabetes), traumas de coluna , abuso de álcool, dores nas relações sexuais entre outras, e também causas psicossociais, a principal causa em mulheres.

Uma educação repressora onde a mulher cresce aprendendo que o sexo é pecado, repulsivo e doloroso, atrapalha no desenvolvimento sexual, criando dificuldades para chegar ao orgasmo. História de  abuso sexual, presença de mitos e tabus, como por exemplo “masturbação não é coisa de mulher direita”, e de que após sermos mães não é mais certo termos algumas atitudes na cama, colaboram bastante para criarmos o ambiente propício para a anorgasmia.

Quando pensamos em tratamento para anorgasmia, a avaliação completa pode passar pela avaliação clínica, fisioterápica e psicológica. Outro ponto importante é definir se a mulher consegue ter orgasmo durante a masturbação ou se é com parceiro (a) em específico, e se ocorre desde o início da vida sexual (anorgasmia primária) ou se é recorrente. Quando a falta de orgasmo é restrita a um parceiro , podemos ter questões de relacionamento a serem resolvidas. Outra questão é avaliar se o parceiro apresenta alguma disfunção sexual que o impeça de estimular a parceira de forma satisfatória.

Além disso, temos que observar se a falta de orgasmo não esta ligada à falta de desejo ou falta de excitação adequada, pois neste caso muda o foco do tratamento.

Portanto, se você estiver tendo dificuldades com seu orgasmo, uma avaliação profissional criteriosa será bem vinda para se chegar ao diagnóstico adequado e ao melhor tratamento. Daí é só aproveitar.

Abraços

Palavras-chave relacionadas :  anorgasmia,orgasmo, mulheres,  diagnóstico, trauma, abuso sexual, falta de desejo, tratamento, educação repressora, vida sexual, clitóris, penetração vaginal, estimulação sexual e cérebro.